sábado, 15 de dezembro de 2007

Outro dia eu fui entregar meu exame de urina no laboratório. É bem desconfortável andar de ônibus com um potinho escrito FEZES em letras garrafais, cuidando para não desequilibrá-lo e com medo de derramar tudo caso a tampa esteja mal fechada, mas essa não é a parte importante. Cheguei lá, dei o meu nome e sentei pra esperar. Eu e o meu potinho de FEZES. Aí chega um cara no MICROFONE e fala "SRA RAYSSA GALVÃO, FAVOR COMPARECER À SALA DE COLETA COM O MATERIAL DE COLETA" e então eu atravessei a sala cheia de gente que eu tinah certeza que estava olhando pra mim, com o meu potinho de FEZES cheio de urina, mas esse nem foi o problema.
O problema veio quando eu o entreguei.
-Um momento, Sra. - disse o cara, que deve ter percebido que eu era nova demais pra ser senhora mas preferiu não corrigir seu erro.
-Oi?
-Aqui diz que é exame de urina. - e ele apontou para o papel, triunfante.
-Sim, e..?
-No potinho diz FEZES. - e ele usou o tom explicativo que professoras do jardim d einfancia usam quando dizem que você tem que fazer carinho no bichinho, e não puxá-lo pelo rabo.
-Ah, sim. Mas é urina.
-Mas aqui diz fezes. - e agora ele parecia incrédulo: como eu poderia ser TÃO burra?
-Mas é urina, moço. Eu que fiz.
-Tem certeza? - e ele agora parecia estar duvidando da minha capacidade de diferenciar xixi de cocô. Uma coisa básica que a gente aprende ainda no peniquinho. "pobre menina sem cérebro", ele deve ter pensado.
-Claro que eu tenho certeza! Abre e olha, ué.
E então ele abriu e olhou. ABRIU E OLHOU, sabem? O meu xixi. Meu xixizinho. Na minah frente. E fez um "ah" e sorriu envergonhado, se desculpando pelo erro.
E eu fui embora sem dizer nada, com muita vergonha alheia e meio estupefada. Afinal, o que mais eu poderia fazer?

***___***

Então, acabou a CPMF. Eu ainda não tive tempo de ler a parte de economia do jornal, o que eu nunca fiz, pra saber como vai ser a minha vida sem isso, então se alguém quiser me dizer eu vou ficar feliz.
Mas era realmente horrível pegar o extrato e ver que seus preciosos dinheiros foram sugados pelo governo. De me deixar deprimida mesmo.
E ainda tem gente que fala que é um imposto justo, porque é cobrado de acordo com o que você tem e blablablá. CLARO QUE NÃO! Eu só sei disso porque minha avó tem uma empresa e tem que pagar um monte de coisas pra um monte de gente, mas as pessoas que lidam com muito dinheiro têm uma exigência principal: dinheiro VIVO, justamente pra não ter que pagar imposto. Como eu não posso exigir isso, tenho que doar meus preciosos pro governo.
Ah, que bom que acabou, não ia nada pra saúde mesmo. Tô cansada de ser roubada e não tenho nem metade da idade de muita gente que acredita piamente nos políticos.

4 comentários:

Dessa disse...

HUAHAUHAUHAUAHUAHUAHAUHAU
caaaaara! que horror a das fezes!
HAUHAUHAUHAUHAUHAUAHUAHUA
se o cara abrisse na minha frente eu ia virar um avestruz e meter a cabeça no chão.
xD
só tu mesmo

saudades, tatu
=********

[D]ih disse...

AuHAUhAUAHau

"fui eu que fiz" foi ótemo, ótemo mehmu!


dorei dorei dore, entro prus favoritos tsá

Fernando S. Trevisan - http://fernandotrevisan.com.br/ disse...

Ray, você é hilária!
E a CPMF acabar não é bom não. É uma idiotice de empurra-empurra político. Eles vão voltar com o imposto - não tem como tirar ele sem quebrar um monte de coisas no país - e vai voltar pior, pode apostar, por que vai ter que atender um monte de negociata de político corrupto.
:*** sobrinha-sexie :P

Juh disse...

Eu ri xD
Isso realmente aconteceu?
Por que esse tipo de coisas só acontece com você?
Ri horrores do "fui eu que fiz"
:B
Bã... perdi a vontade de postar no innocence -___-''''
Você venceu xB
E eu tô pouco ligando pra CPMF, mas enfim, como a cabecinha oca aqui quer ser atriz...


Juh, que viu o '***___***' como uma cara de "ownnn" cheia de olhos @_o~